Censo demográfico, UX e paradados

Este texto (publicado na revista Estudos em Design) apresenta os resultados preliminares de pesquisa para avaliar a experiência do usuário (UX) no preenchimento de questionários na web, aplicados em censos demográficos. Questionários via internet para pesquisas censitárias precisam apresentar avançados atributos de usabilidade de modo a facilitar o seu preenchimento pelos cidadãos brasileiros. Neste contexto, pretende-se avaliar se os paradados – registros de interações entre os usuários e o próprio questionário – podem apontar inconsistências nos instrumentos de coleta dos censos. Em oito bases científicas online, foram efetuadas buscas e os resultados trouxeram importantes insights. O trabalho de pesquisa faz parte do doutorado da Patricia Tavares (minha colega do IBGE), da qual eu sou o coorientador, e é assinado também pela prof. Simone Bacellar (a sua orientadora da Unirio).

Baixe o artigo: Censo Demográfico e Paradados: Em Busca da Melhor Experiência para o Usuário

Revista Estudos em Design, Rio de Janeiro, RJ, Brasil, ISSN Impresso: 0104-4249, ISSN Eletrônico: 1983-196X

Como as pesquisas acadêmicas são utilizadas na vida real

Certa vez ouvi uma frase que muito me marcou: dizia que quando você publica um trabalho e o joga para o mundo, ele imediatamente deixa de ser seu. O Academia (uma rede social mundial onde acadêmicos compartilham trabalhos) detecta os artigos onde cada pesquisador foi mencionado. É muito interessante para um professor verificar quais são as diferentes formas que as suas pesquisas são utilizadas na prática, por outros estudiosos, dentro ou fora do seu campo de pesquisa. Fico muito feliz que os meus textos são usados como referência…

No arquivo .pdf abaixo segue a listagem de 242 citações de trabalhos, tal qual encontradas na web pelo Academia (com os seus links) até a data de hoje.

Listagem de artigos com citações acadêmicas (segundo o site Academia).

Semana de Design 2018

 

Faculdade Senac Rio - Semana de Design 2018

Faculdade Senac Rio - Semana de Design 2018

Um intenso debate sobre pesquisa e pós-graduações em Design no Brasil, com a equipe de professores da Faculdade Senac Rio: Silvia Schneider, Vinicius Guimarães, Luiz Agner, Leandro Cicarelli e Adriando Renzi.

Participação em banca de mestrado em biblioteconomia

Na foto, Luiz Agner, Eduardo Ariel, Camila Teixeira e Claudio Ribeiro, em defesa de dissertação na UniRio.

Na foto, Luiz Agner, Eduardo Ariel, Camila Teixeira e Claudio Ribeiro, em defesa de dissertação na UniRio.

Publicando esta foto como um registro da minha participação na banca de defesa da dissertação de mestrado em Biblioteconomia da UniRio. A estudante, orientanda do professor Ariel, agora mestre, é a Camila Teixeira, que defendeu o seu trabalho sobre a arquitetura de informação da Biblioteca do Centro de Filosofia e Ciências Humanas da UFRJ, utilizando uma metodologia de projeto centrada nas necessidades do ser humano. Parabéns, Camila!

Brasileira notável na Computação

image
 

A comunidade brasileira de Computação está de parabéns! A professora Clarisse Sieckenius de Souza, da PUC-Rio, é a primeira brasileira homenageada pelo projeto Notable Women in Computing, da Universidade de Duke, nos Estados Unidos.

O projeto incentiva e valoriza a participação das mulheres na Ciência da Computação, visto que a presença feminina na área ainda é bem pequena. Para isso, 54 mulheres especialistas em computação de reconhecimento internacional foram retratadas em um baralho criado especialmente para a divulgação do projeto. A professora Clarisse é o dez de espadas. Clarisse é uma das pioneiras na área de Interação Humano-Computador no Brasil e titular do Departamento de Informática da PUC-Rio (e fez parte da minha banca de mestrado!).

A homenagem foi muito bem recebida pela área acadêmica, principalmente por ter sido anunciada na semana do “Dia Internacional da Mulher”. A professora Clarisse dedicou o prêmio a todas as cientistas da computação do Brasil.

Parabéns a todas as mulheres da Computação! 🙂
[Patricia Tavares]

Técnicas de coleta de dados na pesquisa de usabilidade


Nesta aula sobre metodologia científica, os seguintes temas foram abordados:

 

  • O que é uma pesquisa
  • Elementos do método científico
  • Epistemologia do trabalho científico
  • Pesquisa em ergonomia e em usabilidade
  • Passos de uma pesquisa
  • Objetivos, problema e hipótese
  • Amostragem
  • Ferramentas de coleta de dados
  • Questionários: como aplicar
  • Entrevistas: tipos e como aplicar

Se você gostou deste post, também deverá gostar deste aqui.
 

Algumas considerações teóricas e práticas sobre arquitetura de informação

E-Book "Múltiplas Facetas da Comunicação e Divulgação Científicas" (IBICT)

Em um artigo, publicado como capítulo do e-book Múltiplas Facetas da Comunicação e Divulgação Científicas, editado pelo IBICT, e disponibilizado recentemente para download, apresento um resumo de diversos aspectos da teoria, prática e pesquisa em arquitetura de informação (AI). A área de AI tem se configurado hoje como um emergente território de atuação para diversos especialistas, como bibliotecários, designers visuais, administradores, jornalistas e publicitários, além de ser um campo de pesquisa acadêmica que surge em face da crise contemporânea da explosão de dados (information overload). O artigo apresenta conceitos e definições da Arquitetura de Informação, seus componentes, seu framework, suas técnicas de pesquisa (como, por exemplo, o cardsorting), além de modelos de busca da informação de usuários através dos hipertextos.

Agradeço às professoras Lena Vania Ribeiro Pinheiro e Eloisa Príncipe de Oliveira pelo convite para participar desta publicação do seu grupo de pesquisa do IBICT.

Download do e-book do IBICT – artigo: Algumas considerações teóricas e práticas sobre arquitetura de informação.

Se você gostou deste post, provavelmente também gostará destes.

Interface cérebro-máquina: a força do pensamento

 

A evolução dos computadores aliada a neurociência nos traz a integração entre cérebro e máquinas, onde não usaremos mais teclados, monitores ou mouses e nos comunicaremos diretamente com as máquinas através da nossa mente.

O pesquisador brasileiro Miguel Nicolelis, pioneiro neste estudo, concedeu uma entrevista para falar sobre o assunto. Segundo ele, em um curto prazo a medicina poderá ser beneficiada com essas aplicações, através de novos métodos de reabilitação neurológica. Os avanços englobam os tratamentos de paralisias de forma não-invasiva, além de estudos sobre o Mal de Parkinson.

Na entrevista ele comenta que grandes empresas (Google, Intel e Microsoft) já tem suas divisões de interface cérebro-máquina; ele também fala sobre os desafios da ciência no Brasil.

Esta realidade pode parecer distante de nós, mas isso me lembra o filme Minority Report, ambientado em 2054. No filme, Tom Cruise arrastava imagens em telas grandes com as mãos. Na época, Steven Spilberg consultou especialistas em tecnologias do futuro para imaginar como seria a tecnologia em 2054, mas não precisou demorar tanto para esta tecnologia estar presente nos iPhones e iPads que usamos atualmente!

Gostou do assunto? Então leia aqui a entrevista na íntegra.

[Patricia Tavares]