Marketing digital como instrumento de controle

Esta foi a minha apresentação realizada no Simpósio Nacional da ABCiber 2018, em Juiz de Fora, MG.

Nas mídias sociais, hoje em dia, qualquer pessoa pode postar os seus pensamentos. A capacidade de disseminar ideias não encontra-se mais limitada por uma infraestrutura centralizada e cara de broadcasting e mídias de massa. “Estaríamos vivendo a “Era de Ouro” da liberdade de expressão?” pergunta-se a tecno-socióloga Zeynep Tufekci, escritora e professora da Universidade da Carolina do Norte.  Nada disso! A coisa não é bem assim…

Atualmente, o limite da nossa liberdade de expressão vincula-se aos limites de nossa habilidade de captar a atenção das pessoas.  Só que esta capacidade está cada vez mais controlada por poucas plataformas e por seus algoritmos baseados em machine learning para espalhar a vigilância. O modelo de negócios dos gigantes da internet tem sido justamente captar a atenção de todas as pessoas, através de uma infraestrutura de vigilância massiva que nos faz clicar em anúncios automatizados.

Vamos abrir o olho… A situação em que vivemos é, na realidade, mais compatível com regimes autoritários, com a propaganda, a desinformação e a polarização, do que com o conceito democrático de liberdade de pensamento e expressão!

 

Luiz Agner: apresentação no ABCiber 2018.

Luiz Agner: Apresentação de artigo no simpósio ABCiber 2018.

Lançamento na UFRJ

Convite para lançamento do livro Ergodesign e Arquitetura de Informação - Ed. Senac, 2018. Luiz Agner

 

Aeeee, galera! Convite para o lançamento do livro “Ergodesign e Arquitetura de Informação”, quarta edição revisada e ampliada – Ed. Senac, no dia 28 de novembro na UFRJ, na Cidade Universitária.

Apresentação no P&D Design 2018

Luiz Agner - apresentação no Congresso P&D Design 2018

Um registro da minha apresentação no Congresso Pesquisa e Desenvolvimento em Design, acontecendo em Joinville, SC. Um trabalho assinado em parceria com o prof. Adriano Renzi (UFF).

Nesta apresentação, eu procurei sublinhar a necessidade de remodelação da arquitetura de informação para que o conceito acompanhe o ambiente de mudanças contínuas e necessidades cambiantes, no sentido de uma disciplina que se torna mais ampla e aberta. Estamos em um contexto no qual proliferam novas “espécies midiáticas”, onde o ecossistema da comunicação vive em um estado permanente de tensão.

Delineia-se o desafio que coloca os arquitetos de informação e designers de UX diante da tarefa de repensar seus processos, de modo a que todo artefato, produto ou serviço trabalhe em interações de fluxo contínuo, dentro de um sistema emergente onde velhas e novas mídias colidem, o físico e o digital, agora convergentes, sejam projetados, entregues e experienciados como um todo integrado.

Luiz Agner, Manuela Quaresma, Giuseppe, Cláudia Mourthé - Joinville, 2018.

Na foto: Luiz Agner, Manuela Quaresma, Giuseppe Amado, e Cláudia Mourthé – Joinville, novembro de 2018.

Nova edição já no prelo

CAPA ERGODESIGN IMG-6422

Pessoal, é com muito orgulho e alegria que comunico a vocês que está no “prelo” a quarta edição do livro “Ergodesign e Arquitetura de Informação – Trabalhando com o Usuário“, publicado desta vez pela Editora Senac. Este é o texto que vai constar da quarta capa, apresentando a obra, agora revista e aumentada:

“Talvez você nunca tenha ouvido falar em ergodesign, mas pode ter certa familiaridade com os termos “usabilidade”, “design centrado no usuário”, “experiência do usuário”, “design emocional”. E é esse conceito (e outros relacionados) que Luiz Agner explica em seu livro Ergodesign e Arquitetura de Informação”.

A experiência do usuário (em inglês, User eXperience – UX) busca algo que faça diferença na vida das pessoas, busca fazer com que elas se engajem na interação. E Agner mostra como a UX se encontra no cruzamento da arte com a ciência, demanda raciocínio analítico, assim como muita criatividade. Como ele mesmo alerta, “coloca os pingos nos ‘is’”.

Já pode ser encomendado na Amazon! Clique em: https://amzn.to/2AIhdHS

Marketing digital e sociedade de controle

Este trabalho, realizado para o congresso ABCiber 2018, em parceria com minha aluna Juliana Hofstetter, procura analisar aspectos do modo de atuação do controle e do poder exercido pela vigilância na sociedade digital.

A discussão proposta envolve a ética, a segurança e o potencial de controle dos algoritmos online, que não só coletam dados dos usuários, mas os armazenam, combinam, analisam e criam padrões que revelam tendências a serem empregadas em estratégias digitais para gerar consumo e até influenciar decisões político-eleitorais.  

São discutidos empregos de robôs sociais durante o debate político brasileiro, assim como o escândalo do vazamento de dados de usuários na rede social Facebook.

Leia aqui o nosso resumo extendido!