Algumas considerações teóricas e práticas sobre arquitetura de informação

E-Book "Múltiplas Facetas da Comunicação e Divulgação Científicas" (IBICT)

Em um artigo, publicado como capítulo do e-book Múltiplas Facetas da Comunicação e Divulgação Científicas, editado pelo IBICT, e disponibilizado recentemente para download, apresento um resumo de diversos aspectos da teoria, prática e pesquisa em arquitetura de informação (AI). A área de AI tem se configurado hoje como um emergente território de atuação para diversos especialistas, como bibliotecários, designers visuais, administradores, jornalistas e publicitários, além de ser um campo de pesquisa acadêmica que surge em face da crise contemporânea da explosão de dados (information overload). O artigo apresenta conceitos e definições da Arquitetura de Informação, seus componentes, seu framework, suas técnicas de pesquisa (como, por exemplo, o cardsorting), além de modelos de busca da informação de usuários através dos hipertextos.

Agradeço às professoras Lena Vania Ribeiro Pinheiro e Eloisa Príncipe de Oliveira pelo convite para participar desta publicação do seu grupo de pesquisa do IBICT.

Download do e-book do IBICT – artigo: Algumas considerações teóricas e práticas sobre arquitetura de informação.

Se você gostou deste post, provavelmente também gostará destes.

Cultura da convergência em pauta


De acordo com Henry Jenkins, a cultura da convergência reflete uma transformação cultural (e não somente tecnológica) que está em curso. Ela torna imprecisas as fronteiras entre os meios de comunicação tal qual os conhecemos. A relação de cada meio estabelecido com o seu uso está se corroendo pois o mesmo conteúdo flui por diversos canais e assume formas distintas de recepção. Haverá um longo período de transição midiática com sinais confusos, interesses conflitantes, direções imprecisas e resultados imprevisíveis, gerando novas oportunidades para a expressão da cultura popular. Surgem novas relações entre públicos, produtores e conteúdos de mídia.

Em suma, os tempos mudaram e as empresas percebem que é preciso inovar para capturar o olhar dos consumidores para seus produtos e marcas.

Se você gostou deste post, também poderá gostar destes outros.