Arquitetura de informação na terra do caju

Luiz Agner - Workshop em Aracaju, Sergipe - 2007.

O Programa de Qualificação em Comunicação (ProQuali) está sendo implementado pela Secretaria de Comunicação do Governo de Sergipe com o intuito de reciclar e motivar os funcionários do Estado.

Eu fui convidado para ministrar a terceira oficina da série – realizada neste sábado, 28 – sobre o tema usabilidade e arquitetura de informação de websites, que teve grande participação da audiência (que representava diversos órgãos e secretarias) durante as atividades práticas. No workshop, pretendi mostrar que a construção dos sites de governo eletrônico pode atender de maneira mais eficaz o cidadão se empregar os conceitos de design centrado no usuário.

Agradeço à secretária de comunicação Eloísa e à assessora de projetos Kadydja pelo convite e pela agradável estadia em Aracaju. Espero ter contribuído concretamente para a conscientização das equipes de conteúdo e desenvolvimento, e para o aprimoramento dos websites do governo de Sergipe. [Mais vídeo].

Viagem ao Sul: SC e Porto Alegre

Congresso USIHC - 2007 - Balneário Camboriú, SC

Almoço durante o Congresso USIHC 2007, em Balneário Camboriú, SC. Na mesa, o palestrante Paul Sherman (da Usability Professional Association/UPA), Lucia Filgueiras, professora da USP, Anamaria de Moraes, da ergonomia da PUC-Rio, minha colega Manuela Quaresma, e a professora Bianka Capucci, da Univali/SC, entre outros participantes do evento.

Arquitetos de informação em Porto Alegre, julho 2007.

Depois, em Porto Alegre, o agradável bate-papo com os AIs gaúchos, regado à cerveja uruguaia: na foto, o papai Rodrigues Comandolli, Ale Nahra, Moisés, Rodrigo, Jane, Cristian, minha filha Bathata, entre outros. Brrrrrrrrr, que frio, tchê!

Mais resenhas…

Quero também agradecer aqui ao André Valongueiro pela resenha do livro “Ergodesign…” publicada em seu blog:

“… Gostaria de indicar, para aqueles que desejam ter o seu primeiro contato com a Arquitetura de Informação, o livro Ergodesign e Arquitetura de Informação – Trabalhando com o Usuário, de Luiz Agner.

É um trabalho excelente, onde é possível ter contato com muitos dos conceitos mais usados na Arquitetura de Informação.

Gostei especialmente da explanação sobre o papel da AI na inclusão digital e das dicas sobre como lidar com os interesses existentes dentro de uma organização quando se iniciam projetos de interface e estruturação de conteúdo para uma nova ferramenta ou website.”

Análise de testes de usabilidade, na PUC

https://s3.amazonaws.com:443/slideshare/ssplayer.swf?id=72469&doc=analise-de-testes-versao-slide-share1736

Na minha apresentação de ontem da pós da PUC-Rio, mostrei este trabalho sobre Análise de Testes de Usabilidade – que disponibilizo aqui.

O registro de observações de um teste de usabilidade gera grande número de informações. O desafio do pesquisador é organizá-las, reportá-las e interpretá-las. Eu vi isto acontecendo na prática durante a minha pesquisa de doutorado.

O método Top-Down provê maior consistência na análise das observações e começa a partir de uma gama de heurísticas consolidadas. Exemplos de heurísticas: Nielsen; Bastien e Scapin; e Louis Rosenfeld. O método Bottom-up assemelha-se a uma técnica de card sorting aberto, em que a equipe de pesquisa identifica a posteriori as categorias dos problemas observados e o modo como eles serão agrupados.