Entendendo a Arquitetura de Informação

 

Peter Morville, arquiteto de informação e co-autor do famoso livro do urso polar, postou uma apresentação que fala da importância da arquitetura de informação. Além de ser bem ilustrada, tem explicações simples para quem quer conhecer o assunto.

Segundo Morville, o crescimento da Internet produziu uma grande quantidade de informações. Com isso, muitos sites foram crescendo sem planejamento e geraram problemas de navegação, onde os usuários tem dificuldades de encontrar a informação que desejam. Essa confusão cria problemas para a gestão do site e redesenhá-lo pode ficar caro, trabalhoso e demandar muito tempo.

O arquiteto de informação planeja os sites, organizando as informações contidas nele. Assim, sua navegação facilitada ajuda os usuários a completar as tarefas, encontrando o que desejam e auxiliando a entender o que eles encontraram. Além dos sites, o trabalho pode ser realizado em softwares e serviços interativos, entre outros.

Veja aqui a apresentação.

[Patricia Tavares]

Arquitetura de Informação na Fiocruz

Workshop de AI na FioCruz - 2009

Um registro rápido do workshop de Ergodesign, Arquitetura de Informação e Usabilidade, ministrado na Fiocruz. Na foto, a equipe multidisciplinar que desenvolve serviços web e o portal da Instituição, no momento em que participam de um exercício de aplicação e análise de card sorting, uma técnica low-tech para orientar a definição de taxonomias da informação com foco no usuário. O grupo também aprendeu como se faz um Relatório Estratégico de AI.

Participam da equipe de instrutores os professores Sydney Freitas, Giuseppe, Edson, Eduardo Ariel, entre outros, além do blogueiro que vos fala.

Arquitetura de informação na Escola de Propaganda e Marketing

Hoje pela manhã, na Escola Superior de Propaganda e Marketing (ESPM), os alunos da pós em Marketing e Design Digital colocando em prática a técnica do Card Sorting, uma das principais pesquisas com usuários da metodologia de arquitetura de informação. Confira:

Sala de aula - Arquitetura de informação na Escola Superior de Propaganda e Marketing - ESPM

Sala de aula - Arquitetura de informação na Escola Superior de Propaganda e Marketing - ESPM

Sala de aula - Arquitetura de informação na Escola Superior de Propaganda e Marketing - ESPM

Sala de aula - Arquitetura de informação na Escola Superior de Propaganda e Marketing - ESPM

Logo abaixo, vocês podem conferir a apresentação da análise exploratória dos dados da pesquisa, no método proposto por Spencer.

Revista INFO sobre arquitetura de informação

A revista INFO publicou uma interessante matéria sobre o mercado de trabalho da arquitetura de informação e usabilidade, em crescimento no Brasil.

Diante da constatação de que as empresas perdem clientes e acessos por problemas de usabilidade, os arquitetos têm sido disputados. Segundo a matéria, os sites ficaram complexos e as empresas precisam de cada vez mais resultados na internet. Além disso, está mais difícil manter a fidelidade do internauta. Por isso, há espaço para profissionais de áreas diversas como biblioteconomia, administração, design e jornalismo.

Um sucesso o II EBAI/Encontro Brasileiro de Arquitetura de Informação

II Encontro Brasileiro de Arquitetura de Informação
Novamente, um sucesso o segundo evento EBAI, ocorrido em São Paulo, graças à iniciativa e ao empenho de Carol Leslie e Guilhermo Reis (foto). Parabéns à dupla!… Sem esquecer o providencial apoio da Try, Jump Education e o patrocínio do UOL.

II Encontro Brasileiro de Arquitetura de Informação - SP
Quem estava por lá também era a Taissa Abdalla (designer do IBGE) que assinou comigo seu artigo, ao centro na foto, a Ka Fornari (à esquerda) e o professor Mauro Pinheiro (PUC-Rio e UFES), à direita.

II Encontro Brasileiro de Arquitetura de Informação - SP
Fred Amstel, do Usabilidoido e Faber Ludens, gravou tudo e transmitiu ao vivo pela Internet. Galera animada 🙂

Bruno Porto cria a capa da segunda edição de "Ergodesign e Arquitetura de Informação"

Estudos do Bruno Porto para a capa do meu livro

O designer e colega Bruno Porto, emérito professor do Raffles Design Institute, Shanghai, está desenvolvendo os estudos para a capa da segunda edição do meu livrinho “Ergodesign e Arquitetura de Informação”, atualmente esgotado. A previsão da editora é que a segunda edição saia ainda este semestre (assim, é claro, que eu tiver tempo para entregar os capítulos revisados ;))

Como vêem, a capa está ficando maneiríssima e o memorial descritivo não fica atrás. Segundo Bruno, a proposta agora é radical: “uma ruptura completa da percepção que se tinha da primeira edição do livro, que agora já se encontra estabelecido, recomendado e conhecido junto ao público-alvo que se renova”.

“O fato de ser uma segunda edição celebra seu sucesso, e um passo adiante, em layout e abordagem se faz mister! Daí, o que ‘grita’, à primeira vista, é o nome do autor, claro, e a “2a edição”. A capa, em si, chama atenção pelo caótico, e a mensagem-síntese da obra está lá, na própria capa: o grid te salvará, webdesigner!”

“A palavra “design” está bem destacada (disfarçando seu ‘ergo’), e ­ o termo principal ­
‘arquitetura de informação – com bastante movimento, motion graphics sangrado para todos os lados da ilustração, que é, proposital e provocativamente, um prédio. A capa foge do visual “apostila” que a 2AB estabeleceu, a Rosari deu prosseguimento, e a Quartet não se mexe muito (so far) para mudar.”

Quanto à tipografia, Bruno estudou variantes para a mainstream Helvetica (mas ainda no sentido “bem comportado”):
“como a Tarzana Narrow (Zuzana Licko da Emigré, mais antiestablishment impossível – talvez apenas o Billy hehehe ­em sua melhor forma) e a good old Trade Gothic, que mereceu um corpo maior por ser condensada.”

Super-obrigado, Bruno! Demorô. Tão bacana e cult quanto a capa é a defesa do projeto!! 😉

Pequena história da arquitetura de informação e usabilidade no Rio de Janeiro

Esta mensagem foi postada pelo Robson (em comentário a uma mensagem minha) na lista de Arquitetura de Informação. Há tempos estava querendo colocá-la aqui, como um registro de um pouco de história (embora ainda bastante incompleto). Abre aspas:


O Agner citou o LEUI, na PUC-Rio. Ainda há o fato de o primeiro curso de mestrado em Design ter sido criado no Rio e de ter contado com a hipercompetente presença da Dra. Anamaria de Moraes no corpo docente, o que deu um grande estímulo aos estudo de ergonomia e usabilidade para interfaces de interação humano-computador desde os anos de 1990. Em 2003 teve início a primeira turma do curso de doutorado em Design, com a primeira tese de doutorado em desgin relacionada a interfaces para recuperação de informação na web, defendida em 2006.

Já em 1999 foi criado o curso Design de Interfaces, no Centro Universitário Carioca, onde assuntos como ergonomina, usabilidade e AI sempre estiveram na pauta. Além disso, desde 2001 oferecemos cursos de usabilidade na PUC-Rio, inicialmente como workshops, passando por cursos de extensão e hoje temos uma pós-graduação bastante reconhecida, por onde passaram pessoas de vários
estados brasileiros e profissionais de várias grande empresas, como TIM, Globo.com, Neoris, Globo Online entre outras.

Também por iniciativa do LEUI, há oito anos foi realizado o primeiro Congresso Internacional de Ergonomia e Usabilidade e Design de Interfaces e Interação Humano-Computador USIHC). É um evento fortemente pautado em apresentar e discutir estudos em ergonomia e usabilidade de sistemas e interfaces digitais e este ano será realizdo no Maranhão (em 2007 foi em Camboriú e em 2006 foi em Bauru).

Essa massa crítica formada na cidade deu origem a outras iniciativas, como o curso de pós-graduação em Webdesign na UniverCidade, o curso de Projeto de
Interfaces Gráficas para Mídias Integradas e o curso de Arquitetura de Informação, ambos na ESPM Rio. Em paralelo, profissionais e pesquisadores do Rio (e tem muito profissional-pesquisador e vice-versa) frequentemente se unem para organizar palestras, workshops e eventos, como o Dia Mundial da Usabilidade (WUD-RJ), que dá visibilidade à área.

Empresas que investem em AI e em usabilidade também estão localizadas no Rio, como Globo.com e Globo Online, Sirius Interativa e Simples Consultoria.

Assim, fica claro que não se trata de bairrismo, e sim falar a respeito de trabalho realizado ao longo do tempo. É muito bom refletirmos sobre a história recente para entender o crescimento da área [Robson Santos]

Só vou inserir aqui um adendo meu:

Em outros estados também têm sido gerados trabalhos acadêmicos importantes sobre Arquitetura de Informação, contribuindo assim para a criação de uma massa crítica sobre o tema, como as dissertações de Guilhermo Reis (USP), Flávia Macedo (UnB), e a monografia de Belkiss Marcorio (GO) [Luiz Agner].

Arquitetura de informação, usabilidade e acessibilidade: referências completíssimas online

A University of Minnesota Duluth disponibilizou esta série de links sobre webdesign para embasar seus cursos. É um importante consolidado de recursos e referências online, muito completo, sobre os mais diversos tópicos ligados ao design e desenvolvimento. Confira:

Referências sobre arquitetura de informação

Referências sobre usabilidade

Referências sobre acessibilidade

Arquitetura de informação e governo eletrônico [tese]: baixe na íntegra

Ufa! Finalmente, estou disponibilizando no blog os arquivos certificados de cada capítulo da minha tese da PUC-Rio. Aqui vão os objetivos de cada e seu link para download. [Por favor, se você for usar, referencie corretamente o trabalho segundo os dados de catalogação bibliográfica a seguir].

Agner, Luiz – Arquitetura de informação e governo eletrônico: diálogo cidadãos-Estado na World Wide Web – estudo de caso e avaliação ergonômica de usabilidade de interfaces humano-computador / Luiz Carlos Agner Caldas ; orientador: Anamaria de Moraes. – 2007
354 f. : il. ; 30 cm

Tese (Doutorado em Design)–Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2007.
Inclui bibliografia

1. Artes – Teses. 2. Design. 3. Ergonomia. 4. Interação humano-computador. 5. Usabilidade. 6. Governo eletrônico. 7. Arquitetura de informação. 8. Interface. 9. World Wide Web. I. Moraes, Anamaria. II. Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro. Departamento de Artes. III. Título.

Aqui vão os arquivos:

Elementos pré-textuais (folha de rosto, agradecimentos, dedicatória, etc.)

Introdução – Clique aqui para um resumo geral da tese e dos conceitos de cada capítulo a seguir.

Capítulo 1Por uma visão crítica das organizações – Apresenta uma visão crítica dos fundamentos que legitimaram a Administração Tradicional e o surgimento das organizações burocráticas.

Capítulo 2Governo eletrônico e reinvenção do Estado – Apresenta definições e justificativas para o projeto de implantação do e-Gov. Apresenta diretrizes nacionais e internacionais para os portais de governo na Internet.

Capítulo 3Arquitetura de Informação: campo interdisciplinar – Apresenta aspectos teóricos e práticos da nova profissão ligada ao Design de sistemas informacionais – a Arquitetura de Informação – e suas relações interdisciplinares.

Capítulo 4Método e técnicas de pesquisa – Explicita detalhadamente o método e as técnicas desta pesquisa, assim como define o seu tema, objeto, problema, hipótese, objetivos, roteiros e técnicas.

Capítulo 5Resultados da técnica de história oral – Revela aspectos da dimensão institucional na utilização de ferramentas digitais no IBGE; apresenta o modo de apropriação das tecnologias de informação na história recente da Instituição, segundo o relato de seus protagonistas; descreve os conteúdos, objetivos e públicos-alvo do portal e seus subsites.

Capítulo 6Resultados dos testes de usabilidade – Sintetiza e apresenta dados empíricos de utilização obtidos com a técnica de testes de campo realizados com a participação de usuários acadêmicos em busca de dados estatísticos específicos.

Capítulo 7Análise dos dados, check list e heurísticas – Organiza e interpreta o conjunto de registros e de observações originadas dos testes de usabilidade no campo.

Capítulo 8Conclusões – Confronta os resultados obtidos com a literatura pesquisada. Formula recomendações específicas para a Arquitetura de Informação e usabilidade de interfaces, com base nos dados de utilização. Relaciona as conclusões com as recomendações gerais para portais de governo eletrônico (e-Gov). Apresenta possibilidades de desdobramentos futuros desta pesquisa.

Elementos pós-textuais (bibliografia e anexos)